FESTIVAL SOUTH BY SOUTHWEST, MAIS CONHECIDO COMO SXSW ACONTECE NA CIDADE DE AUSTIN, NO TEXAS (FOTO: REPRODUÇÃO/FACEBOOK)

Logo depois do SXSW 2018, os responsáveis pelo evento lançaram suas apostas, vislumbrando o que brilharia na edição seguinte do festival. Enfim, chegou a hora de ver se, como de costume, eles acertaram. É lógico que a programação do Southby 2019 reflete um pouco de tais apostas, mas, nos próximos dias, a prova real se dará. O movimento das pessoas de uma venue para outra e as conversas nas filas e bares são o termômetro que dá a palavra final na triagem do que está mais quente nos meios onde inovação, criatividade e tecnologia brilham.

Pois bem, passado o burburinho e a ressaca do SXSW 2018, a turma do evento – sem surpresa, antenadíssima na ciência de dados – colocou números e impressões na mesa. Aqui, é importante salientar que uma das principais características do Southby, a convergência, guiou o caminho até os resultados. No fim, a bola de cristal nada mística dessa turma apontou os caminhos do futuro de então nas seguintes cartas:

O Blockchain está construindo a Web 3.0

Você é um daqueles que sabe o que são criptomoedas e apenas ouviu falar de blockchain como coadjuvante nesse tema? Ok, você está acompanhado por muita gente boa, mas…

Nessas reticências mora o segredo que deve vir à tona no SXSW 2019. As criptomoedas nada mais são que o primeiro presente do blockchain para o mundo. Em torno dessa tecnologia, há um movimento muito mais promissor e amplo do que se vê da superfície. Atrás da interface de várias páginas que visitamos todos os dias, os códigos estão caminhando para uma mudança radical. Em breve, a web estará povoada por sites construídos em blockchain. Nada que mude muito a vida do usuário final, pelo menos não na prática de nossos cliques frenéticos. A transformação se dará nos bastidores, e seus reflexos chegaram com o tempo. Navegaremos por plataformas criptograficamente seguras e descentralizadas. Isso deve nos levar a um cenário rico em novas possibilidades, onde transparência será imprescindível para corporações digitais. De quebra, tal movimento levará as economias mundiais a aceitarem que as moedas digitais são uma realidade.

Conquistando uma era de desconfiança digital

Quando você pensa nos prós e contras de ter uma vida online, se sente entre a cruz e a espada? Por mais desconfiados que estejamos diante da tecnologia digital, nossa dependência é maior. Questões práticas, facilidades do dia-a-dia e pequenos vícios convivem lado a lado com a ciência de que consumimos informações falsas, de que nossos dados pessoais navegam muito além de nossas nuvens pseudopessoais e de que nossas bolhas algoritmizadas são bastante suscetíveis a manipulações externas. Em meio a tudo isso, ainda temos a automação e a inteligência artificial ganhando status de buzzwords. Num cenário tão alarmista, vantagem competitiva anda de mãos dadas com confiança.

Documentários e filmes de gênero estão crescendo nas bilheterias

A indústria cinematográfica sempre reconheceu a pequena e devota audiência dos documentários e filmes de gênero, embora não identificasse muito futuro ali. Só que algo mudou, e esses tipos de filmes passaram a surpreender nas bilheterias e críticas. Para comprovar o ponto, o SXSW cita títulos que se destacam e dão força a essa tendência – como  Quiet Place, Get Out e Hereditary (entre os filmes de gênero) e Won’t You Be My Neighbor, RBG e Three Identical Strangers (documentários) – e deixa uma pergunta no ar: existem fatores determinantes que levam a esse interesse pop ou este é o novo normal?

Evolução do Transporte e Entregas

Quando o assunto é transporte, parece que nosso imaginário foi bem trabalhado por Hannah Barbera. Mas, embora a imagem dos carros voadores da abertura de Os Jetsons seja a primeira cena de que lembramos se trata do futuro do transporte, o céu é só um dos redutos dessa indústria. Grandes inovações relacionadas a mobilidade estão em etapas adiantadas de pesquisa, com projetos importantes em prototipagem ou já em fase de testes. A promessa é de custos mais baixos para o consumidor e muita AI. Empresas e sociedades têm adaptações diversas a fazer – de estradas e vias urbanas à regulamentação do espaço aéreo.

O consumidor de cannabis em evolução

A legalização da cannabis em alguns mercados abriu espaço para negócios com uma longa estrada de crescimento à frente. O amplo perfil de consumidor – de idosos a pensadores do bem-estar – torna as oportunidade ainda mais promissoras. O portfólio de oferta dessa indústria emergente e o diversificado público andam juntos. A cannabis traz, em sua esteira, produtos baseados em THC, além do CBD e derivados não psicoativos, que atraem médicos que buscam alternativas para o tratamento de dores crônicas e outras doenças.

Projeto de emprego e o futuro do trabalho

Os modelos flexíveis de emprego se consolidam como prática de trabalho. Sintonizado com as possibilidades abertas pelo crescente uso de robótica, automação e IA em várias indústrias, eles impõem desafios. Entre as transformações consequentes dessa nova dinâmica, uma das que terá efeitos mais imediatos diz respeito aos salários. No dia a dia dos funcionários, a flexibilidade nos empregos será refletida em forma de irregularidade nos fluxos de renda. A combinação de habilidades e a evolução nos sistemas educacionais são parte importante para o futuro do trabalho e para a maneira como os empregos serão construídos.

Música e blockchain – esperança além do hype

O pagamento de direitos autorais e processamento de distribuição na indústria da música sempre foi um tema de difícil consenso. Por isso, quando o blockchain surgiu e a característica de transparência inerente a suas operações foi apresentada, houve uma onda de otimismo no setor. Startups receberam financiamentos milionários, e várias operações de longo prazo foram lançadas. Mas muito pouco foi convertido em resultado. A pergunta lançada pelo SXSW: será que blockchain-as-panacea é uma esperança exagerada?

Ascensão rápida dos serviços de assinatura

Os serviços de assinatura se consolidam como opção de entretenimento em diversos países. Empresas como Netflix, Hulu e Amazon Prime conquistaram seu lugar na vida das pessoas e em diversas faturas de cartão de crédito. O modelo de pagamento mensal é, ao mesmo tempo, acessível para a audiência e lucrativo para as empresas, o que conquistou grandes players como Apple, Disney e WarnerMedia. O streaming por assinatura se afirma no mercado, exigindo investimento massivo em conteúdo e desenvolvimento de propriedades.

O valor do toque humano na curadoria musical

Por mais que explícita que seja a presença da IA em curadorias relacionadas à indústria musical, os principais curadores ainda são procurados e contratados. Hoje, a inteligência artificial é responsável por listas de reprodução em streaming, recrutamento de novos talentos etc. Como se não bastasse, ela sugere parcerias de marca, busca novos fãs e cria músicas. Mas, apesar de tantos recursos e precisão, ela não chegou à maestria – o toque humano mantém seu lugar.

XR é agora

Enquanto a Realidade Virtual conquista seu espaço no mainstream, a Realidade Aumentada aproveita o vácuo. A adoção comercial da AR vem se viabilizando com ferramentas – como ARKit e ARCore – que facilitam a criação de aplicações de AR para dispositivos móveis. Assim, damos mais um passo no mundo das realidades e entramos na XR, que mescla perfeitamente mundos físicos e digitais, levando o usuário a perceber objetos virtuais quase como reais.