O Primetime Youtube, que ocorreu na quinta-feira, dia 10 de março, foi uma apresentação leve, porém bem estruturada e cheia de conteúdo, que levou para o palco do RioContentMarket não só profissionais que trabalham na plataforma, mas também aqueles que se tornaram celebridades através de seu uso, os youtubers.

O diretor de conteúdo do Youtube Brasil, Alvaro Paes de Barros, iniciou a apresentação fazendo uma contextualização.

alvaropaesdebarros_youtube

O youtube iniciou suas atividades em 2005 e no ano seguinte já era o site mais popular para hospedar vídeos. O slogan era Broadcast Yourself, e pronto foram surgindo cada vez mais vídeos de pessoas comuns, além, é claro de conteúdos de terceiros disponibilizados e, possivelmente, bloqueados pelo próprio youtube a fim de garantir os direitos autorais.

Hoje, 11 anos depois, temos personalidades que assinam como youtubers e muitos produtores de conteúdo possuem seu próprio canal na plataforma, disponibilizando gratuitamente seu conteúdo. A cada minuto, 300 horas de conteúdo são postadas.

O Brasil só perde em tempo de vídeos assistidos no youtube para os Estados Unidos. No ano passado, a visualização de vídeos em dispositivos móveis se tornou maior que a realizada no computador. Das 10 celebridades mais influentes, 5 são youtubers, além destes estarem presentes também no top 10 de livros mais vendidos.

Alvaro pergunta o que é mais importante: “o conteúdo ou a distribuição?” e responde com: “talvez a audiência”. Defende que o conteúdo é dono da audiência e não importa seu meio de distribuição.

E se engana quem acha que para ser youtuber tem que ser jovem. Drauzio Varella, por exemplo, possui um canal de mais de 50 mil inscritos. Em comum eles seguem as hashtags e se comunicam com seus fãs. Eles não tem viewers, mas fãs realmente engajados com seus conteúdos.

A convite do diretor contaram um pouco de suas trajetórias Bruno Bock e a equipe do Pipocando; Rafael Grostein e o pessoal, da NWB, empresa que detém vários canais como Desimpedidos, Acelerados e Manual do Mundo; e Mederi, do Galo Frito e 5 Alguma Coisa.

primetime_youtube

Assista uma parte da apresentação do Pipocando:

Depois, Manu Villela, Youtube manager, chamou-os novamente ao palco para debater sobre como viabilizar o conteúdo. Cada canal selecionado para falar apresentava um modelo de negócios diferente.

O Pipocando começou despretensioso, os meninos já tinham uma produtora e acabou virando a parte mais importante do negócio.

Uma grande diferença que perceberam foi relativa ao feedback: seus clientes não elogiavam tanto seu trabalho para que o próximo serviço não tivesse um valor mais alto, mas na internet, de fato o sucesso é medido por likes e visualizações, sendo assim visível o reconhecimento.

Além disso, encontraram na internet um local para trabalhar sem precisar da aprovação de terceiros. Para começar um projeto era preciso uma vinheta, algo que podia ser bem simples e, o mais importante, ser autêntico e mostrar pro público quem você é. Se você não tiver isso claro, o público vai perceber e questionar.

A NWB, Network Brasil, já começou pensando a plataforma como negócio, com um business plan bem articulado. Hoje é uma empresa consolidada e com sócios, com mais de 800 vídeos e 1 milhão e 800 inscritos.

tiveram a preocupação de ter em seu portifólio canais diferentes, mas que também tivessem uma sinergia, como o caso do Manual do Mundo que tem a ver, por um lado, com o Revisão e, por outro, com o Acelerados. A Nissan, por exemplo, em uma ação que unia esses dois últimos ganhou o prêmio de agência digital do ano. O desafio era saber se era mais rápido um carro com etanol ou gasolina. Rubinho Barrichelo, como Acelerados, propôs o teste prático com o carro da Nissan e Iberê Thenório, do Manual do Mundo, explicou a parte científica.

O Pipocando se preocupa em ter parceiros de longo prazo. Já vivem um uma gangorra com a produtora, então assinam contratos renováveis de 3 em 3 meses. Dois deles são o grupo de cinema Cinepolis, o que é ótimo até porque eles comentam filmes e assim ganham os ingressos e o curso de inglês Skills, demanda de parceria dos próprios, que surgiu a partir de uma brincadeira com o enrolar de língua na hora de pronunciar nomes de atores e filmes.

Eles assim tornam publicidade conteúdo, uma vez que freqüentam ambos de fato.

O pessoal da NWB também considera que entretenimento e publicidade caminham juntos na relação conteúdo e branded content.

Um de seus youtubers, Fred (que na verdade se chama Bruno), foi escolhido entre os fãs do canal quando o apresentador anterior, Felipe Andreoli, foi para a Globo. Fizeram uma ação com a Adidas em que chamavam os jogadores para um desafio e Fred usava uma chuteira específica. Ele contou sobre a situação de crianças, que ao invés de quererem as chuteiras dos jogadores, pediam para os pais a chuteira do youtuber.

As pessoas se sentem íntimas dos youtubers por conta da empatia gerada na sensação de autenticidade. Construir a audiência é o primeiro passo, uma vez que o Youtube é uma rede social. Os meninos destacam que vão aprendendo mais sobre a plataforma a cada experiência.

Já o Galo Frito, havia sido criado para ser um programa do canal universitário, sorte que não deu certo, pois o sucesso na web foi quase instantâneo. Hoje ele pensa em criar novos programas.

mederi_youtube

Curiosamente, Mederi diz que tem sido mais fácil convencer empresas a fazerem propaganda nos desenhos do 5 Alguma Coisa do que no Galo Frito. Também pensa na possibilidade de licenciar a marca de desenhos para produtos. Sua próxima empreitada será uma novela de 16 episódios que serão lançados todos os dias da semana às 8 da noite.

E o que será que está por vir? Ainda não sabemos mas preocupado com inovação, o Youtube já possui espaço para VR e vídeo 360.

Segundo Alvaro, o Youtube Space, espaço de produção, workshops e um lugar de encontro da comunidade de produtores de vídeos, chacoalha a produção e distribuição de conteúdo em um novo caminho mais democrático.

Cidades como Los Angeles, Londres, Tokyo, New York, Berlin, Mumbai, Paris e São Paulo já possuem um Youtube Space. No ano que vem será a vez do Rio de Janeiro, o que demonstra o destaque do país como produtor de conteúdo, ganhando mais um centro.